O “Dia Nacional da luta Antimanicomial” foi lembrado com uma importante palestra na sede do CAPS.

Fazendo parte da programação do “Dia Nacional da Luta Antimanicomial” comemorado nesta quarta-feira, 18 de maio de 2022; em Ipu, a Coordenadora Geral do CAPS, a Terapeuta Ocupacional Dra. Paula Aragão realizou um importante palestra sobre a “Luta Antimanicomial” com a participação especial da estagiária em Psicologia, Elaine Rodrigues Galvão e a Psicóloga Miryan Taumaturgo.

Esse evento reuniu vários estudantes estagiários que estão presentes no CAPS e demais pacientes.

Segundo dados divulgados pelo Ministério da Saúde, o movimento antimanicomial caracteriza-se pela luta por direitos das pessoas com sofrimento mental. No centro desse movimento está o combate ao estigma e à exclusão de pessoas em sofrimento psíquico grave, em nome de pretensos tratamentos. O Movimento Antimanicomial faz lembrar que, como qualquer cidadão, pessoas com transtornos mentais, têm o direito fundamental à liberdade, o direito a viver em sociedade, além do direito a receber cuidado e tratamento, sem que para isto tenham que abrir mão de seu lugar de cidadãos.

Com o lema “Por uma sociedade sem manicômios”, diferentes categorias profissionais, associações de usuários e familiares, instituições acadêmicas, representações políticas e outros segmentos da sociedade, questionam o modelo clássico de assistência centrado em internações em hospitais psiquiátricos, denunciam as graves violações aos direitos das pessoas com transtornos mentais e propõem a reorganização do modelo de atenção em saúde mental no Brasil a partir de serviços abertos, comunitários e territorializados, buscando a garantia da cidadania de usuários e familiares, historicamente discriminados e excluídos da sociedade.

Assim como o processo do Movimento da Reforma Sanitária, que resultou na garantia constitucional da saúde como direito de todos e dever do estado através da criação do Sistema Único de Saúde, o Movimento da Reforma Psiquiátrica resultou na aprovação da Lei nº 10.216/2.001, nomeada “Lei Paulo Delgado”, que trata da proteção dos direitos das pessoas com transtornos mentais e redireciona o modelo de assistência. Este marco legal estabelece a responsabilidade do Estado no desenvolvimento da política de saúde mental no Brasil, através do fechamento de hospitais psiquiátricos, abertura de novos serviços comunitários e participação social no acompanhamento de sua implementação. (Fonte de pesquisa do Ministério da Saúde).

Gestão “O Progresso Continua”

Notícias recentes

Prefeito Robério Rufino participou nesta terça (20) da entrega “Cartões Nutricash” do Programa Ceará sem fome.

O Governo do Estado do Ceará revelou uma importante atualização nos critérios que regem a seleção dos beneficiários do Cartão Ceará Sem Fome, visando ampliar o acesso a recursos alimentares para aqueles em situação de vulnerabilidade. O anúncio foi feito pelo governador Elmano de Freitas, em conjunto com a primeira-dama Lia de Freitas, como parte